Sua versão do navegador está desatualizado. Recomendamos que você atualize seu navegador para uma versão mais recente.

O que é Dermatite Atópica?
Dermatite Atópica é uma doença crônica e recidivante que causa inflamação na pele, denominada eczema atópico. A Dermatite Atópica é geralmente a primeira manifestação da marcha atópica a qual pode progredir com asma, rinite alérgica e alergia alimentar. A Dermatite Atópica é uma doença comum, estudos mostram que sua prevalência aumentou nas últimas três décadas nos países industrializados., sendo maior em países desenvolvidos e em áreas urbanas. Sua prevalência é de 10 a 20% na infância e de 1 a 3% no adulto. Na maioria dos casos a Dermatite Atópica inicia-se antes dos 5 anos de idade, mas é infrequente em menores que 6 semanas de vida. Em 20% dos casos a dermatite Atópica inicia-se no adulto.

Qual a causa da Dermatite Atópica?
A causa da Dermatite Atópica é uma complexa interação entre susceptibilidade genética, fatores ambientais, defeito na barreira da pele e defeito na resposta imunológica local e sistêmica. A Dermatite Atópica é uma doença de origem hereditária, e não é uma doença contagiosa.

Quais são as características da Dermatite Atópica?
Dermatite Atópica é caracterizada por pele seca, coceira intensa, e lesões eczematosas crônicas e recidivantes com períodos de piora e de remissão. No lactente e na infância as lesões são mais avermelhadas e localizam-se na face, pescoço, tronco e superfície extensora dos braços e pernas. A distribuição anatômica muda com a idade, sendo que nas crianças maiores e nos adulto as lesões são mais escuras, espessadas e escoriadas e ocorrem nas superfícies flexoras como nas dobras dos cotovelos e joelhos, mãos e pés. Eczema crônico das mãos pode ser a principal manifestação da Dermatite
Atópica em adultos.
A Dermatite Atópica manifesta-se num amplo espectro de gravidade, desde quadros leves até quadros graves, persistentes e extensos, acometendo grande parte do corpo.

Como a Dermatite Atópica evolui?
O prognóstico é bom na maioria dos casos, apresentando remissão antes da puberdade em aproximadamente 60% das crianças, mas pode persistir ou iniciar no adulto. A Dermatite Atópica causa sofrimento físico e emocional no paciente e em seus familiares, apresenta significante impacto na qualidade de vida das crianças e dos adultos.

Como é feito o diagnóstico da Dermatite Atópica?
O diagnóstico da Dermatite Atópica é baseado na apresentação clínica, ou seja, na história e no exame físico do paciente; não há testes diagnósticos objetivos para a confirmação clínica.
Os testes alérgicos cutâneos ou testes alérgicos laboratoriais são importantes para investigar alergia aos fatores desencadeantes da Dermatite Atópica como aos ácaros presentes na poeira domésticas e alergia alimentar. Estes testes alérgicos positivos indicam sensibilização, o diagnóstico de alergia requer correlação clínica, que deve ser interpretada pelo médico especialista.
A alergia alimentar deve ser investigada na Dermatite Atópica moderada e grave na infância e na Dermatite Atópica grave no adulto, que não controlam com o adequado tratamento convencional, o seu diagnóstico pode ser difícil, devendo ser investigado e confirmado por médico especialista.

Quais são os fatores desencadeantes da Dermatite Atópica?
Os fatores desencadeantes das exacerbações, ou seja, das pioras da Dermatite Atópica, variam de paciente para paciente, por isso a avaliação deve ser individualizada, a qual permitirá o tratamento mais eficaz. Os principais desencadeantes envolvidos no aparecimento ou piora do eczema são:
1) Condições ou substâncias irritantes: Produtos químicos em geral (sabões, detergentes, desinfetantes, amaciantes de roupas), roupas de lã e tecido sintético; umidade baixa ou alta; frio intenso; calor intenso e transpiração;
2) Alérgenos ambientais: Ácaros da poeira domiciliar, fungos, baratas, epitélios de animais (cão e gato);
3) Alérgenos alimentares: Leite, ovo, trigo, soja, peixe;
4) Agentes infecciosos: Bactéria Staphylococcus aureus, fungo Malassezia furfur, infecções virais como vírus do herpes simples;
5) Estresse e fatores emocionais.

Qual o tratamento da Dermatite Atópica?
O sucesso no controle da Dermatite Atópica requer um tratamento contínuo e individualizado pela evolução crônica e recorrente. O tratamento convencional consiste na identificação e restrição dos fatores desencadeantes, na hidratação da pele e no uso de medicamentos anti-inflamatórios. Devem-se evitar fatores irritantes, para isto, as roupas novas devem ser lavadas antes de serem usadas; usar de preferência sabões líquidos e enxaguar bem as roupas para evitar resíduos de sabões; evitar amaciantes de roupas; evitar roupas justas; preferir roupas de algodão e confortáveis; evitar temperaturas e umidades extremas.
Para melhorar a hidratação da pele, o banho sempre deve ser rápido, de até 10 minutos, morno e sem bucha, de preferência com sabonetes líquidos. Os sabonetes em barras não são indicados, mesmo se for infantil ou de glicerina. Deve-se secar a pele com toques leves da toalha, evitando esfregá-la. Os hidratantes devem ser aplicados imediatamente após o banho, com a pele ainda úmida, para reter a hidratação, e repetido duas, três vezes ao dia e repetir se necessário quando a pele estiver ressecada. O hidratante é muito importante e seu uso consistente poupa o uso de medicamentos anti-inflamatórios. Porém, alguns hidratantes podem conter álcool, perfumes, e por isso não são adequados; os hidratantes devem ser orientados pelo médico.
Alimentos devem ser excluídos da dieta somente após confirmação diagnóstica. Deve-se evitar dietas de eliminação alimentar extensas baseadas apenas nos testes alérgicos, pois podem levar à deficiência nutricional, e também desnecessariamente aumentam o estresse com impacto na qualidade de vida do paciente e dos familiares.
Para o controle ambiental deve-se limpar a residência com pano úmido diariamente, forrar colchões e travesseiros com tecido impermeável aos ácaros, evitar tapetes, cortinas, cobertores de lã, bichos de pelúcia, minimizar contato com animais domésticos, manter a residência arejada.
Embora o sol possa ser benéfico em alguns pacientes, a exposição solar prolongada pode danificar a pele, por isso deve-se usar protetor solar. Alguns protetores solares podem não ser adequados e devem ser orientados pelo médico.
Estresse e fatores emocionais não causam Dermatite Atópica, mas podem induzir à coceira com piora da dermatite. Para o controle do estresse emocional, deve-se aprender a reconhecer as situações de estresse, dedicar tempo ao lazer, em atividades que se goste muito, como ouvir música, cantar, dançar, pintar, ler, praticar yoga, meditação e praticar exercício físico de leve a moderada intensidade. Certos esportes, como natação pode ser melhor tolerado do que esportes envolvendo intensa transpiração, com contato físico ou que utilizem roupas ou equipamentos pesados, mas deve-se ao sair da piscina enxaguar-se imediatamente e aplicar o hidratante.
Os pais também devem controlar o estresse, podendo se beneficiar com orientação psicológica, pois é comum a criança com Dermatite Atópica captar o estresse dos pais. Pode ser necessária avaliação psicológica, tratamento com psicólogo, ou participação em grupos de apoio como AADA – Associação de Apoio à Dermatite Atópica (
www.aada.org.br). Informações adicionais e vídeos podem ser obtidos nos sites da National Eczema Association (www.nationaleczema.org) ou da American Academy of Dermatology’s Web site EczemaNet (www.skincarephysicians.com/eczemanet
).
O padrão do sono geralmente melhora com o tratamento efetivo da Dermatite Atópica, porém, se ocorrer persistência do distúrbio do sono, avaliação com especialista deve ser considerada.
Quanto aos medicamentos anti-inflamatórios, cremes e pomadas de corticóide são eficazes no controle da Dermatite Atópica, entretanto devem ser indicados e usados corretamente para evitar seus potenciais efeitos colaterais, como atrofia (afinamento) da pele, estrias, glaucoma, catarata. Existem várias apresentações de corticóide em creme e pomada, com diferentes potências, e apenas o médico pode indicar a melhor apresentação para cada caso, o qual deve ser individualizado baseado na gravidade da Dermatite Atópica, na localização e extensão da pele afetada, na idade do paciente, tempo de uso e método de aplicação. Recentemente o uso de imunomoduladores tópicos macrolídeos foi introduzido, podendo diminuir o uso de corticóide tópico em determinadas áreas do corpo, evitando seus efeitos colaterais.
O uso de anti-histamínicos (ou antialérgicos) orais é usado para controlar a coceira principalmente no período noturno. Antibióticos, antifúngicos e antivirais podem ser utilizados em casos de infecção, sob orientação médica. O corticóide oral, e medicamentos imunossupressores orais, como a ciclosporina, podem ser usados na Dermatite Atópica grave sob orientação médica. O tratamento da Dermatite Atópica com fototerapia, preparações com coal tar e imunoterapia alérgeno específica (vacina com alérgeno) pode ser benéfico em alguns casos.
Sempre procure seu médico de confiança para orientar o melhor tratamento para seu caso.

Seguimento
É muito importante a compreensão da natureza crônica da doença pelo paciente e pelos familiares, os fatores de exacerbação, o apropriado tratamento e a aderência ao tratamento para se alcançar o controle efetivo da Dermatite Atópica, a qual leva à melhora na qualidade de vida.